Você já ouviu falar sobre Edge Computing? É um conceito criado para representar a descentralização do processamento e armazenamento de dados, tirando uma carga pesada da computação em nuvem e trazendo para perto do local onde foram gerados ou requisitados.
Essa tecnologia garante uma maior disponibilidade, permitindo que as empresas que baseiam suas operações na Internet das coisas tenham um aumento de produtividade e desempenho, o que é importantíssimo quando falamos de processamento de dados complexos. 

 Quer conhecer todos os benefícios que essa tecnologia proporcionará às empresas? Leia este artigo até o final!

O Edge Computing substituirá o Cloud Computing? 

Não temos motivos para acreditar nisso. As duas tecnologias trabalham em conjunto, dando suporte à internet das coisas. Na verdade, o edge computing se "comporta" como um atalho, agilizando o processamento local e levando ao cloud dados consolidados e que serão acessados posteriormente.
A nuvem continuará tendo o seu papel, mas terá o seu “inchaço” atenuado cuidando do armazenamento e processamento de dados mais robustos. 
Podemos definir da seguinte forma: O cloud continuará centralizando os dados, enquanto o edge aproximará o processamento instantâneo da fonte, oferecendo um equilíbrio para a arquitetura e possibilitando uma escalabilidade programada. 
Caberá à governança de TI criar meios para que sua infraestrutura tire o melhor da parceria entre edge e cloud computing. 

Quais são os benefícios do Edge Computing?

O primeiro grande benefício do edge computing é a redução da latência, ou seja, do tempo de resposta entre requisição e entrega. Também ocorrerá uma diminuição de limitações em relação à largura de banda.
Além disso, a empresa dependerá menos de algumas estruturas, nem sempre confiáveis, para lidar com dados complexos. Outro benefício importante é a melhora em relação ao processamento de dados para as empresas. 
Não podemos esquecer os benefícios relacionados à segurança, tanto para o edge computing quanto para o cloud. Em caso de um ataque DdoS — uma grande quantidade de requisições simultâneas que travam o servidor — ele ficará limitado à borda, preservando o cloud. O contrário também é válido. 

Como o Edge computing pode ajudar as empresas na prática?

Indústria

Com as transformações digitais e o advento da indústria 4.0, quase todo o processo industrial é executado e monitorado por equipamentos dotados de internet das coisas. Com o edge, ficará muito mais rápido armazenar, compartilhar e processar os dados, gerando um ganho enorme em produtividade e qualidade, com a redução da latência. 

Comércio e serviços

As grandes redes de varejo e serviços também trabalham com sensores e equipamentos que monitoram os estoques e cuidam da segurança interna, enviando as informações diretamente para a nuvem. 
Esses dados também poderão ser processados nas bordas, oferecendo respostas mais rápidas às requisições dos gestores e melhorando os processos internos, o controle de estoque e o atendimento ao cliente. 

Muita gente ainda trata o edge computing como uma tendência, mas ele já se tornou realidade. Cabe aos gestores de TI identificarem os benefícios que ele poderá trazer para as empresas e entender que é um caminho sem volta. Quem não se atentar para esse novo momento poderá perder mercado para a concorrência. 

Gostou do post sobre Edge Computing? Então continue lendo sobre gestão de dados conferindo os 5 erros graves que você não deve cometer em relação a segurança da informação.