Os dados de uma empresa tornaram-se peça-chave para o sucesso de seus negócios. Não é à toa que o Banco de dados é considerado um sistema de missão crítica. É por meio dele que essas informações são mantidas protegidas e são gerenciadas.

Para que fosse possível acessar cada vez volumes maiores de dados de forma correta e em tempo hábil, as empresas passaram a buscar novas alternativas que fossem capazes de suprir suas necessidades e preocupações de se contar com um local escalável e eficiente. Com isso, foram surgindo os bancos de dados na Nuvem.

Você conhece o banco de dados na Nuvem, sabe como ele funciona? No artigo de hoje, trouxemos uma breve contextualização desse movimento dos bancos de dados para Cloud Computing e listamos as vantagens dessa migração. Não perca!

Banco de dados na nuvem é uma realidade!  

Ainda que haja muitas empresas com receio de migrar seus bancos de dados, que contém inúmeros conteúdos críticos e sigilosos, para a nuvem de terceiros isso já é uma realidade e muito mais segura do que você imagina.

A insegurança dessa migração ainda acontece porque até pouco tempo atrás não era cogitado levar o banco de dados para Nuvem. Isso era considerado uma tarefa muito cara, pois é necessário que as máquinas estejam sempre ativas trabalhando para que dados não fossem corrompidos. 

No entanto, graças à evolução da Cloud Computing e o surgimento dos modelos como serviço, tornou-se possível contornar esse contratempo. Atualmente, a computação em Nuvem está mais preparada para suportar esses sistemas de missão crítica.

A partir disso, podemos dizer que existem dois modelos principais de bancos de dados na Nuvem. A primeira, mais tradicional, é semelhante a um banco de dados gerenciado localmente, exceto o provisionamento de infraestrutura. Nesse tipo, a empresa irá contratar o espaço de máquina virtual do provedor dos serviços e o banco de dados será implementado na Cloud. Será apenas uma troca de hospedagem.       

Enquanto isso, a segunda opção é muito mais vantajosa e utilizada, trata-se do banco de dados como serviço (DBaaS), o qual é baseado em um sistema em Nuvem sob assinatura baseado em taxas. Ele é capaz de oferecer plataformas flexíveis, escalonadas e sob demanda para as empresas. A entrega do software de banco de dados é feita pelo fornecedor do serviço, que é responsável por alocá-lo fisicamente.

Por meio dessa opção, a forma como o banco de dados é consumido é totalmente modificada. A organização não precisa se preocupar com sua instalação. O provedor do serviço irá entregar a plataforma com tudo instalado por meio de uma mensalidade.    

Por que usar bancos de dados na nuvem? 

Essa nova forma de consumir o banco de dados oferece inúmeras facilidades para as empresas. É possível aproveitar todas as vantagens da Cloud Computing focada no banco de dados, como escalabilidade, redução de custos e, inclusive, da complexidade da compra e instalação do software.

O fornecedor do DBaaS oferece uma variedade de serviços operacionais, de manutenção, administração e gerenciamento para os seus clientes já que o banco de dados será executado em sua infraestrutura.

A maior versatilidade do banco de dados em Nuvem pode ajudar as empresas a otimizarem seus resultados de negócio. Ao investir nessa opção, é possível reduzir custos operacionais, otimizar processos, garantir escalabilidade, dentre outras vantagens que listamos a seguir:

Maior agilidade na implementação  

Quando implementados on-premise, o banco de dados envolve muitos passos complexos que podem trazer prejuízos para as empresas quando não executados corretamente. Agora, na nuvem, eles podem ser configurados rapidamente, passar por testes e ser validado de acordo com as necessidades da empresa. 

Além disso, não é necessário se preocupar com a licença baseado no hardware e outras questões técnicas. A nuvem acaba com toda a complexidade, apenas será necessário definir com o fornecedor a mensalidade a ser paga de acordo com a configuração exigida.

Escalabilidade facilitada 

Será possível aumentar a capacidade de desempenho do banco conforme o aumento das demandas e necessidades do negócio. 

Maior acessibilidade

Basta que haja um dispositivo conectado à internet. É possível que o usuário acesso o banco de dados na nuvem da empresa em qualquer lugar e a qualquer momento.

Redução de custos de TI

A empresa poderá eliminar diversos gastos, como os de investimento em novas infraestruturas e realização de manutenções. O DBaaS pode ser considerado um gasto OPEX, o qual possibilita o pagamento por mensalidades e é muito mais vantajoso do que o CAPEX em que é necessário um investimento inicial.

Com o banco de dados na Nuvem é possível pagar apenas pelo o que utilizar. Logo, as empresas precisam se focar apenas nos custos de suas demandas, reduzindo os investimentos com TI.


Altamente confiável

Ainda que muitas empresas considerem mais seguro manter seus bancos de dados no local, diversos contratempos, como assaltos, e até mesmo desastres naturais, como enchentes, podem colocar suas informações em riscos.

A partir disso podemos considerar o banco de dados na nuvem mais seguro, visto que os fornecedores mantém seus servidores em locais com medidas extras de proteção contra esses problemas.

Além disso, é possível configurar o DBaaS de acordo com as normas e legislações do setor de TI, o que elimina as chances de a empresa ter problema com auditorias de segurança. 

Redução de riscos

Os provedores do DBaaS podem utilizar a automação para aplicar as melhores práticas e recursos no banco de dados na nuvem de seus clientes, além de eliminar possíveis erros humanos.

Por meio do SLA estabelecido com o fornecedor, a empresa conseguirá reduzir tempos de inatividade que podem causar perda de receita, por exemplo. Assim, será possível contar com um banco de dados altamente disponível.

Como levar banco de dados para a nuvem?

Primeiramente, ao considerar essa migração é necessário entender como o banco de dados é ofertado na Nuvem e as suas diferenças entre o on-premise.

Enquanto no on-premise, além de comprar a licença baseada no hardware, a empresa precisa cuidar de diversas questões, como quantos acessos serão realizados no banco de dados, a quantidade de máquinas físicas ligadas, se ele estará em ambiente físico ou virtualizado, quantos processadores estarão funcionando dentro do servidor, entre outros pontos técnicos. 

Já na Nuvem, é possível eliminar toda essa complexidade, já que o banco de dados é oferecido como modelo de PaaS, de plataforma como serviço, em que para toda a configuração será necessário apenas estipular a mensalidade paga ao provedor.

A gestão do banco de dados também são diferentes, enquanto no local, a empresa realiza todos os cuidados necessários, na Nuvem, a empresa não terá livre acesso ao sistema operacional por se tratar de uma plataforma de um fornecedor. Dessa forma, não contará com tanta liberdade para fazer modificações. 


No entanto o principal ponto a ser considerado é o licenciamento. No on-premise, é necessário licenciar todos os processadores do cluster, o que é uma tarefa muito complexa ou comprar licenças datacenter ou entreprise com valores muito altos e com impacto direto no fluxo de caixa da empresa.

Na prática, isso acontece da seguinte forma: suponha que um mesmo banco de dados esteja fazendo uma replicação em duas máquinas físicas diferentes, que estão separadas mas ligadas uma à outra. A empresa precisará licenciar todos os processadores do cluster e não apenas uma. Serão licenças diferentes com um número mínimo de licenciamento para cada uma dessas máquinas que pode variar. Se tratando de alguns bancos de dados, como o SQL Server, por exemplo, se estiverem em máquinas físicas serão 2 licenciamentos, agora se estiverem em ambiente virtualizado serão no mínimo 4 licenciamentos.  

Caso não seja feito corretamente e cada um deles seja licenciado, isso irá gerar problemas de performance, pois o cluster poderá não ser reconhecido e até mesmo ter consequências mais graves como multas do banco de dados caso uma auditoria seja feita.

A nuvem facilitou essa complexidade por meio da opção por assinatura. Como se trata de uma plataforma como serviço, a empresa poderá assinar um banco de dados de forma mais prática e sem riscos por meio da mensalidade. 

Como você pôde perceber, é necessário considerar muitos pontos sobre o banco de dados na nuvem, portanto é fundamental contar com o apoio de um especialista. A CCM pode ajudar sua empresa nessa missão por meio de nossa consultoria em banco de dados especializada e certificada.

E você, gostaria de nossa consultoria para contratar um banco de dados na nuvem? Fale com um de nossos especialistas!